Vídeos e letras de música portuguesa

Vídeos e letras

Terça-feira, 24 de Março de 2009
Título: Todagente
Intérprete: Da Weasel
Álbum: 3º capítulo
Ano: 1997
 
 
Toda a gente critica
O telemóvel do vizinho
Mas no fundo toda a gente
Queria ter um igualzinho

Toda a gente grita
Todos diferentes todos iguais
Mas se calhar
Há uns quantos bacanos a mais

Toda a gente quer
Ser solidária
Mas na hora da verdade
Toda a gente desaparece da área
 
Toda a gente quer
Ser muito moderna
Mas a tacanhez
Essa há-de ser eterna

Toda a gente quer
Fazer algo de original 
Acabando por copiar
Aquilo que acham original 

Toda a gente repara
Que acabo duas frases da mesma maneira
Se for esse o caso
Toda a gente caiu na ratoeira

Apenas quero confirmar
Se estou a receber a devida atenção
Da parte de toda a gente
Que ouve essa canção

Toda a gente precisa
De parar e relaxar um bocado 
E eu, como toda a gente
Já ‘tou stressado 

Pego no microfone
E faço disso o meu talento
Por fora, por dentro
Mostrando o meu rebento

Superficial, composto
Directo e indirecto 
Tá-se cool e tá-se bem 
Entrega-te ao meu som (huh)
É agora que convém 

Toda a gente critica
Toda a gente tem muita pica
Mas é na mesa do café
Que toda a acção fica
Não há dinheiro que pague esse sonzinho
Manda mas é vir mais um cafézinho

Toda a gente critica
Toda a gente tem muita pica
Mas é na mesa do café
Que toda a acção fica
Não há dinheiro que pague esse sonzinho
Manda mas é vir mais um cafézinho

Toda a gente
Até compra camisa 
Mas dessa treta ao fim ao cabo
Já ninguém precisa

Toda a gente fala
Da situação em Timor 
Muitos para ganharem algo
Muito poucos por amor

Há até quem costume falar
Em revolução 
Mas a revolução
Não vai ser transmitida na televisão

Ela tem que acontecer
Dentro de cada um
Caso contrário
Nunca chegaremos a lugar algum

Há quem queira resolver
Os problemas do mundo inteiro
De uma só vez, confiante
Tal e qual um bom escuteiro

Mas enquanto se perseguem
Tão nobres ideais 
Esquecemo-nos de limpar
Os nossos quintais

Tentamos combater
Todos os males da terra 
Quando afinal
É na nossa casa que começa a guerra

Toda a gente devia
Parar de falar
Olhar p'ra dentro e agir 
Virgul, dá-lhe a seguir 

Pego no microfone
E faço disso o meu talento
Por fora, por dentro
Mostrando o meu rebento

Superficial, composto
Directo e indirecto 
Tá-se cool e tá-se bem 
Entrega-te ao meu som (huh)
É agora que convém 

Toda a gente critica
Toda a gente tem muita pica
Mas é na mesa do café
Que toda a acção fica
Não há dinheiro que pague esse sonzinho
Manda mas é vir mais um cafézinho

Toda a gente critica
Toda a gente tem muita pica
Mas é na mesa do café
Que toda a acção fica
Não há dinheiro que pague esse sonzinho
Manda mas é vir mais um cafézinho

...

Toda a gente critica
Toda a gente tem muita pica
Mas é na mesa do café
Que toda a acção fica
Não há dinheiro que pague esse sonzinho
Manda mas é vir mais um cafézinho

Toda a gente critica
Toda a gente tem muita pica
Mas é na mesa do café
Que toda a acção fica
Não há dinheiro que pague esse sonzinho
Manda mas é vir mais um cafézinho...
 

Publicado por Daxe Renal às 00:00